Aguarde, carregando...

RS BATE RECORDE COM RELÂMPAGO MAIS LONGO DO MUNDO

RS BATE RECORDE COM RELÂMPAGO MAIS LONGO DO MUNDO
Patrick Savaris
Por: Patrick Savaris
Dia 25/06/2020 23h03

Raio, que cruzou o céu gaúcho em outubro de 2018, alcançou a extensão de 700 km de comprimento.

A Organização Meteorológica Mundial anunciou nesta quinta-feira (25) que um relâmpago que cruzou uma distância de mais de 700 km nos céus do Rio Grande do Sul em 31 de outubro de 2018 bateu o recorde de maior extensão já registrada por um raio, estabelecido graças às novas tecnologias de imagem por satélite.

Outro recorde foi validado por especialistas da Organização de Extremos Meteorológicos e Climáticos, o de um relâmpago com a maior duração: um único raio se estendeu no céu do norte da Argentina no dia 4 de março de 2019 durante 16,73 segundos, a maior duração já observada por um único raio.                                                                                                      
A extensão do relâmpago que rasgou os céus do Brasil em 2018 corresponde à distância entre Boston e Washington, nos Estados Unidos, ou entre Londres e Bâle, na Suíça, segundo a Organização.

Os dois recordes de extensão e duração são mais de duas vezes superiores do que os registrados anteriormente.                                                                                                                                                                                                                 
O recorde de extensão anterior foi o de um raio de 321 km de comprimento, registrado em 20 de junho de 2007 no estado americano de Oklahoma.                                                                                                                                                                                     
O recorde de duração anterior, 7,74 segundos, foi medido em 30 de agosto de 2012 no sul da França.                                                                                                                                   
Os novos recordes puderam ser validados graças a progressos recentes realizados na cartografia dos raios graças a instrumentos instalados a bordo de satélites de observação que permitem mensurar continuadamente "o comprimento e a duração dos relâmpagos nas vastas extensões geoespaciais", declarou Randall Cerveny, relator-chefe do comitê de especialistas.                                                                                                                                                                                       
Estas novas tecnologias permitiram a detecção "dos extremos conhecidos pelo nome de mega-relâmpagos que antes não eram observados", segundo Michael J. Peterson, do Laboratório Nacional de Los Álamos, nos Estados Unidos.

Gaúcha ZH

Veja também:

Confira mais artigos relacionados e obtenha ainda mais dicas de controle para suas contas.