Home > Animais > Atenção para os cuidados com os animais de estimação no inverno

Atenção para os cuidados com os animais de estimação no inverno

O período de baixas temperaturas afeta tanto seres humanos como os animais e plantas. Além das alterações de humor, a nova estação traz consigo mudanças biológicas no jeito dos organismos reagirem ao frio. Com os bichinhos de estimação não é diferente.

Com a chegada do inverno, o humor e a saúde dos pets precisam de atenção especial, principalmente no que diz respeito à vacinação, alterações nos horários dos passeios, cautela com os banhos e utilização de roupinhas.

Mas quais são os principais cuidados que quem tem um animal de estimação precisa ter? Quem explica é a professora do Curso de Medicina Veterinária da IMED, Dra. Lygia Maria Malvestio.

Professora Lygia Maria Malvestio explica quais os principais cuidados que os donos devem ter com seus pets com a chegada do frio.

“Assim como os humanos, os animais também ficam mais suscetíveis às doenças respiratórias no inverno. A principal delas é a traqueobronquite infecciosa canina, conhecida popularmente como gripe canina ou tosse dos canis. Essa doença causa tosse seca nos cães e sua incidência é maior no inverno por causa do ar mais seco e frio. Já existe vacina para prevenir essa enfermidade, sendo recomendada a imunização dos cães saudáveis anualmente. Em relação aos felinos, a rinotraqueite e calicivirose que integram o Complexo Respiratório Felino, apresentam maior incidência em locais com alta densidade de animais ou nas estações mais frias devido ao contato muito próximo e a facilidade de disseminação. Trata-se de uma doença infectocontagiosa cujos sintomas observados são: secreção nasal e ocular, febre, espirros, apatia, ceratoconjuntivite e úlceras na mucosa oral. A prevenção para esta enfermidade também baseia-se na imunização anual”, explica Lygia.

Durante o inverno, por ser uma estação mais fria e chuvosa, os passeios nessas condições meteorológicas podem prejudicar os pets? Ou eles podem ser realizados dentro da normalidade? Lygia esclarece: “Em relação aos passeios a recomendação é realiza-los nos períodos mais quentes do dia e quando o sol ainda está presente, como no início da manhã ou final do dia, atentando sempre em evitar tirar os pets de casa quando estiver muito frio ou durante a noite”, comenta.

E sobre o uso de roupinhas e cobertores: eles ajudam ou prejudicam os animais de estimação? “A adoção de roupinhas ajuda e é muito importante para proteger os pets, principalmente os recém-nascidos, idosos e aqueles com pelagem curta. Deve-se escolher roupas com tecidos confortáveis e observar se o pet também está confortável com a roupinha. Nos animais com pelagem longa, é importante escovar bem o animal após tirar a peça”, ressalta a docente.

Outro fator importante apontado pela professora é o cuidado em relação aos banhos e tosas. “A rotina de banhos e tosas também necessita de algumas modificações. Deve-se aumentar o intervalo entre um banho e outro e escolher os locais protegidos e dias mais quentes para levá-los ao pet shop. Caso o banho seja feito em casa, é essencial utilizar sempre água morna e secar bem a pelagem dos animais com secadores. Nessa época do ano é importante deixar os bichinhos de estimação com a pelagem mais comprida e evitar a exposição ao vento após o banho quente”, alerta.

“As casinhas e caminhas devem ser colocadas em locais secos e não expostas ao vento. Outro cuidado que se deve ter é colocar cobertores tanto para forrá-las, como no piso, para não deixar os locais onde os pets dormem em contato direto com o chão frio”, destaca a professora.

Atenção com os filhotes!

“Os animais recém-nascidos merecem atenção redobrada durante o inverno. Todos os filhotes, até os dois meses de idade, ainda não têm uma capacidade eficiente de manter a temperatura corpórea e perdem calor facilmente. Sendo assim, dependem de abrigo e da energia fornecida pela alimentação, que deve ser oferecida até quatro vezes ao dia. É recomendável manter a ninhada em local protegido e confinados em casinhas ou caminhas forradas com cobertores”, finaliza Lygia.

 

 Fonte: Francine Tiecher | Analista Comunicação.