Home > Notícias > ‘Airbags mortais’ ainda equipam mais de 1 milhão de veículos no Brasil

‘Airbags mortais’ ainda equipam mais de 1 milhão de veículos no Brasil

Mais de 1 milhão de carros brasileiros ainda possuem os chamados “airbags mortais”, fornecidos pela fabricante japonesa Takata. São equipamentos defeituosos que abrem com tanta força que atiram pedaços de metal contra os ocupantes.

O escândalo veio à tona 5 anos atrás. Envolveu, em todo o mundo, mais de 30 milhões de veículos de diversas marcas: o maior recall da história.

O defeito também está relacionado com a morte de pelo menos 22 pessoas, além de 180 feridos. Não há relatos de nenhuma ocorrência no Brasil.

Mais de 2 milhões de carros, de 15 diferentes marcas, foram chamados para a troca da peça defeituosa, chamada insuflador, durante esses 5 anos no país. A grande maioria é da Honda e da Toyota. A Ford foi a mais recente, com recall aberto no mês passado.

O conserto é gratuito. No entanto, o índice de atendimento das chamadas sequer atingiu 50%. Isso significa que apenas cerca de 800 mil proprietários foram às concessionárias em busca de uma solução.

O que são ‘airbags mortais’

O falha na abertura de airbags fabricados pela Takata se tornou pública em 2013. No entanto, uma investigação dos Estados Unidos indica que as montadoras tinham conhecimento da falha 10 anos antes.

A partir de 2014, quando a falha passou a ser associada a mortes no exterior, o fato ganhou destaque no Brasil.

O defeito está na vedação do insuflador, onde fica o gás que faz o airbag ser acionado. A falha pode fazer essa peça trincar e também alterar o gás, devido à exposição à umidade.

Assim, quando há uma colisão e o airbag deve ser acionado, ele não abre corretamente, e explode. O insuflador (que tem peças metálicas) se parte e seus pedaços são atirados contra os ocupantes dos veículos. Até por isso, os ferimentos de algumas vítimas foram confundidos com facadas ou tiro.

O caso da Takata motivou o maior recall da história. A fornecedora se declarou culpada e aceitou pagar uma multa de US$ 1 bilhão nos EUA.

 

Fonte: https://g1.globo.com