Home > Notícias > Paralisação: Escola São José

Paralisação: Escola São José

“Nessa terça-feira (15), parte dos professores da rede estadual e municipal aderiu à greve de três dias convocada pela Confederação Nacional dos Educadores, deixando milhares de estudantes sem aula. Ainda não há números oficiais, mas a paralisação ocorre de forma parcial em Porto Alegre e nas maiores cidades do Rio Grande do Sul, como Passo Fundo, Santa Maria e Pelotas” G1

Aqui em Constantina, não foi diferente, um grupo de alunos e professores da Escola Estadual de Ensino Médio São José, iniciaram na manhã dessa quarta-feira(18), uma paralisação que se estenderá por três dias, cobrindo os horários da manhã e tarde.

Diante desse fato, o CW, foi até a escola conversar com os alunos, lideranças e com professores envolvidos, afim de esclarecimentos a toda a comunidade em geral.

DSC_1095Dentro das dependências da escola, outro grupo de professores permanecem na secretaria e nas sala dos professores, trabalhando normalmente  e cuidando de assuntos referentes a escola e as classes, não estão sendo realizadas aulas, os alunos que não aderiram a paralisação, puderam voltaram para casa.

Entrevistamos o estudante Gabriel Sawaris, aluno do 3º ano e Presidente do Grêmio Estudantil, que esclareceu as razões pela qual houve a paralisação, como está a organização do grupo e também informou quais serão as próximas etapas a serem seguidas.

-O que levou os estudantes e também os professores da Escola São José a fecharem as portas hoje?

DSC_1093“A princípio, iniciamos essa manifestação pelos estudantes, por dois motivos:

1º-  Os professores não estão recebendo o salário adequado, estão sendo parcelados;

2º- Está ocorrendo o sucateamento do ensino, o governo não está repassando o dinheiro pra as escolas;

como exemplo aqui no colégio, um estudante tem por volta de 0,30 de lanche por dia, a escola vai se mantendo assim. Pretendemos continuar a ocupação da escola dentro dos próximos três dias, e está marcado para a amanhã de manhã, uma passeata, por toda a cidade.

Está prevista a chegada de um pessoal de fora, que também está envolvido nas  manifestações, que irão nos auxiliar no que for necessário.

E pela parte da tarde, do mesmo modo, vamos ocupar o local e explicaremos, lógico, os motivos pela nossa ação, de forma organizada.”

 

Ouvimos também o Professor de Inglês, Horácio A. Lorini, que nos explicou, sob o seu ponto de vista quanto professor, o que lhe chamou mais a atenção a respeito dos aluno, a respeito de sua atitude.

” Fiquei surpreendido hoje, com essa iniciativa por parte dos alunos, na verdade eu nunca havia feito algo como isso, quando eu era aluno, não esperava que fossem tomar essa decisão.

Para todos que falavam ou falam mal dessa nova e futura geração, nas redes sociais principalmente, dizendo que eles não tem opinião, enfim, eu digo que hoje eles estão dando uma aula de cidadania, para todos. Sinto muito orgulho deles, pois estão tendo coragem de fazer isso e ao mesmo tempo, estão tendo a consciência do processo global, que se instale a nível de estado, e quem sabe até em nível nacional.

A ponto principal, é a questão do sucateamento das escolas, do Estado mínimo, que seria o governo tirando o corpo fora, das responsabilidades que ele deveria ter, além dos impostos que pagamos. Em escola pequenas como a nossa, que nós temos como abrir mão de recursos, como promoções, entre outros, que dão recursos para a escola, aliados a um ótimo gerenciamento financeiro feito pela atual diretoria, nós não estamos vendo tanto a questão dos problemas estruturais, além da questão salarial.

Nossos amigos, companheiros, alunos e professores de outras escolas de cidades maiores estão enfrentando uma crise quase que sem precedentes, não tem como tocar essas escolas, não sendo apenas o não  repasse de recursos, mas também a má vontade por parte de algumas pessoas, que ocasionam brigas e discussões, alunos descontentes. Então, nossos alunos de Constantina estão seguindo essa tendência, estão de parabéns pela iniciativa e pela personalidade de terem vindo até aqui, e dizer NÃO, pois eles são os objetos de ensino e sujeitos também pois  quando tomaram essa iniciativa, não podíamos barrar eles, estamos dando todo o apoio a eles.

Fico feliz em ter esses alunos, unidos nessa luta importante, senão, essencial”.

DSC_1091

 

 

 

 

 

 

Confira algumas imagens: