Home > Notícias > Redução da maioridade penal para crimes graves é rejeitada

Redução da maioridade penal para crimes graves é rejeitada

Foto reprodução/web

Foto reprodução/web

Ontem, (30) de junho,após muito se discutir a chamada Proposta Emenda Constitucional (PEC) 171/93, que pretendia reduzir a maioridade penal dos 18 para os 16 para crimes considerados graves como o roubo qualificado, homicídio e latrocínio, foi rejeitada no Plenário da Câmara de Deputados.

Para a sua aprovação, eram necessários cerca de 308 votos a favor, o que ocorreu foi que a PEC, recebeu 303, ou seja, faltaram cinco votos para sua aprovação, segunda contas feitas, a PEC teria recebido 184 votos contra e três abstenções. Pode ser que nessa quarta-feira(01) de julho, seja feita a votação da PEC original, que prevê a redução na maior idade para todos os crimes, além dos considerados hediondos, conforme dizia a proposta que foi rejeitada na segunda-feira.

Após votações, registraram-se tumultos com a policia:

Episódios de violência física, foram registrados após o término das votações, segundo estudantes que estavam protestando contra a proposta, a polícia teria utilizado gás de pimenta. Enquanto isso  algum local de acesso ao chamado salão verde da Câmara, o Deputado Heráclito Fortes(PSB-PI), foi derrubado enquanto os estudantes criticavam algumas limitações na questão de acessoa as galerias do plenário, o deputado teria caído e ficado no chão por alguns segundos, com o auxílio de alguns seguranças, conseguiu ficar em pé e entrou por um dos acesso.

Os que eram favoráveis à redução gritavam “bandido é na prisão”, enquanto os contrários rebatiam: “Não à redução, queremos mais saúde e educação”.

Foto reprodução/Web

Foto reprodução/Web

Após dada por fim as votações, os manifestantes gritavam dizeres como: “O Cunha é ditador” e “Nas ruas, nas praças, quem disse que sumiu, aqui está presente o movimento estudantil”. O dia inteiro foi marcado por protestos contra e a favor da redução da maioridade penal, antes mesmo do inicio das votações, cerca de 500 manifestantes se encontraram em frente ao Congresso, sentados ou de pé, carregando faixas e placas, em sua grande maioria, contra a redução.

Fonte; ZH